Battlefield 1 - Uma homenagem em forma de jogo.

@uroichy-san

 Primeiro guerra mundial, por algum motivo não parece ser o tema preferido das desenvolvedoras na hora de desenvolver jogos, parecendo sempre optarem pela segunda guerra. Entretanto, em 2016, a DICE, em parceria com a EA games, nos trouxe o excelente Battlefield 1, um game de alto orçamento onde o jogador é colocado na pele de personagens durante a 'guerra que acabará com todas as guerras'.

 O jogo possui gráficos excepcionais, algo foto realista, em minha opinião, seja nas armas ou nos veículos, ou ainda nos personagens, a qualidade está digna da nova geração. Explosões e efeitos de água e terra são sensacionais de se presenciar.

 A história se divide em seis histórias curtas e separadas, que contam o ponto de vista de diferentes personagens em diferentes regiões da guerra, indo, por exemplo, da França a Cambrai, e até a Arábia.

 Cada história aborda um acontecimento e o jogador fica na pele de um soldado que vivenciou esses eventos, sendo alguns bem reflexivos, e outros até mais emotivos. E a homenagem colocada em vídeo dentro do game é realmente de se aplaudir de pé.

 A ambientação do game está muito bem trabalhada, trazendo aquela imersão ao jogador, causando uma sensação de claustrofobia até em ambientes amplos, pois afinal, estamos falando de uma guerra, representada com certo grau de preocupação no realismo, ou seja, nada de correr e atirar como se fosse invulnerável, poucos tiros bastam para o seu personagem morrer.

 Atirar e procurar cobertura, o jogador não terá muitas escolhas além desta durante a gameplay, o que dá a sensação real nos campos de batalha devastados pelos bombardeios.

 Os veículos da primeira guerra estão todos ali para serem usados, independente de ser no Online ou no modo single-player. Os tanques Mark V, os caça tanques alemães, os zepelins, os tanques FT, diversos veículos que estão a 'disposição' do jogador para pilotar e causar destruição no campo de batalha, pois em Battlefield 1 é possível atravessar direto por casas e várias outras construções com os tanques. Mas é sempre bom lembrar, destruir uma casa pode significar perder uma cobertura da artilharia inimiga.

 É compreensível ter apenas um tipo de cada veículo, falando do single-player, mas não deixa de ser uma pena, pois seria bem legal ver, por exemplo, o tanque Mark I, mesmo considerando que a forma de propulsão dele não era exatamente a melhor, ou ainda, mais modelos de caça tanques e outros tanques leves.

 Para não dizer que o jogo é perfeito, existem alguns pontos que são incômodos, ao menos para mim, mas nem são deste game, e sim de todos os Battlefield e Call of Duty que eu já vi.

 O primeiro, e que acaba sendo um problema já que esse jogo tem a intenção de ser mais realista, todos os inimigos sabem a sua posição exata assim que apenas um deles te vê. Em ambas as franquias eu presenciei esse problema, que torna a experiência das partes stealth muito esquisitas e destoantes do restante do game. Explicando melhor, em Battlefield 1, você pode se arrastar ou se abaixar e andar de forma mais furtiva do que o normal, contudo, se você disparar uma única vez, ou for avistado, todos os inimigos naquele cenário saberão que você está ali, e não só isso, eles saberão exatamente onde você está, morteiros, metralhadoras, granadas, independente de você se abaixar novamente e 'sumir' da visão deles, eles irão te acertar e sempre saberão onde você está, o que torna impossível se esgueirar e atirar de outro lugar, o que impede uma dinâmica mais rápida de tiroteios, já que será necessário atirar e tomar cobertura a todo instante.

 O segundo ponto é uma falha da física, muito mais do que um defeito do game, que é a trajetória das balas e o efeito. Ao pilotar os tanques principalmente, você vai perceber que é muito fácil acertar outros tanques, mesmo estando a certa distância, e mesmo as armas comuns, especialmente rifles de curta distância, ou pistolas, todas as armas acertam o seu alvo a quase qualquer distância. E ai você pergunta, qual o problema?

 Bom, o game é baseado numa guerra que realmente aconteceu, com eventos que realmente aconteceram, e considerando que você pode se machucar até encostando no arame farpado, seria de se esperar que as armas tivessem uma física mais puxada ao realista também, ou seja, um tiro de uma arma tende a ir caindo conforme a distância aumenta, ou seja, a uma determinada distância, o jogador precisará mirar na cabeça para acertar o peito, por exemplo, e por ai vai conforme a distância aumenta. Contudo, não é isso que acontece, e mesmo a uma distância considerável você acertará muito facilmente, o que quebra um pouco a imersão se você já jogou games como Sniper Elite, ou Metal Gear Solid V, que possuem uma física de tiro muito realista.

 Atualmente há muitos poucos jogos abordando a primeira guerra, e por isso mesmo Battlefield 1 é muito bem vindo ao mercado. Com uma gameplay ótima, controles muito precisos e gráficos absurdamente belos, Battlefield 1 nos leva a cenários com clima dinâmico e vivo, onde presenciamos eventos importantes, e conquistas suadas, de soldados que vivenciaram a 'guerra que acabará com todas as guerras'.

PLATAFORMAS: PS4, Xbox One, Origin.