O apologismo à Game Freak.

@sharpnosedgamer-jp

O porquê da necessidade de criticar Pokémon Sword & Shield.

Ainda esse ano, foram anunciados os dois novos jogos da oitava geração de Pokémon. Desde 1996, as criaturas conquistaram diversos corações, tanto dos jogadores casuais, quanto o dos mais hardcores. Pokémon Sword & Shield inicialmente foram recebidos de braços abertos e sem nenhuma controvérsia, até que o membro do conselho administrativo da Game Freak, Junichi Masuda, anunciou que o National Dex (Pokédex completa com a presença de todos os Pokémons existentes) não estaria no game.

A impressão foi que a tempestade de hate em cima dessa decisão veio instantaneamente, mas eu puxo a atenção de vocês pra cá por outros detalhes, também já conhecidos, mas que acho mais importante frisar nesse momento. Deixemos o National Dex de lado, por enquanto. Nada impede que novas atualizações/patches futuros do jogo tragam Pokémons antigos consigo e aos poucos, por isso e por eu ser um jogador mais casual, daqueles que apenas completa a Elite Four com seu time favorito, a notícia não me indignou tanto quanto enfureceu os fãs mais competitivos.

O que me despertou uma certa decepção, porém, foram as animações dos golpes presentes no jogo, quase todas sendo reaproveitadas desde X/Y em 2013. Agora, leitor, eu puxo a sua atenção para os seguintes gifs:

Kabutops usando o golpe Mega Kick (Pokémon Stadium, 2000)
Weaville CORRENDO até o Mothim e TOMANDO POSTURA pra dar o Ice Punch (Pokémon B.Revolution, 2006)

Jogos antigos, jogos com mais de 10 anos de idade, jogos com uma tecnologia de programação inferior à atual… Não existe desculpa para que um jogo de Pokémon, que ao levar em conta a reutilização de animações anteriores também possui o banco de todos os Pokémons animados em 3D, utilize animações atuais robóticas e que não demonstrem nenhuma emoção ou sinal de vida. Isso não serve apenas para os golpes, serve também para várias animações idle, como por exemplo a do Skarmory:

Parece uma p*rra de uma marionete!!! As asas nem batem, ele não pisca, ele simplesmente fica aí flutuando (Animação utilizada desde X/Y)

Mesmo que o argumento de que a G.Freak esteja optando um novo modelo para atrair novos fãs da franquia - Reforço isso utilizando as mecânicas de captura de Pokémon GO nas versões Let’s Go, ao invés das batalhas selvagens padrão- utilizar um leque de animações mais realistas, bem feitas e vívidas não só traz a possibilidade de melhorar o jogo para os fãs de longa data, mas também dá aos novos jogadores uma experiência de gameplay bem melhor do que um Pikachu que dá duas flutuadinhas pra cada turno de Double Kick:

Como prova de que a faca e o queijo estão nas mãos da companhia, e mesmo assim ele não utiliza, um estudante de design de games conseguiu animar em um dia quase a mesma animação que os Wingull selvagem possuem no overworld de Galar. Deveras decepcionante. Muitos apologistas tem usado a desculpa de que o jogo ainda se encontra em desenvolvimento, levando em conta a demo que foi mostrada na E3 de 2019, e mudanças podem ocorrer até a versão final… De fato, mas não se mostra um produto na maior feira de games do ocidente — mesmo que meses antes do lançamento- sem que ele esteja em uma forma quase definitiva. Mesmo que updates sejam realizados, não creio que eles terão um impacto forte e de grande mudança em novembro desse ano.

Outro problema em relação ao jogo é também, pra variar os glitches gráficos do overworld que foi mostrado até agora. Realmente ressalta aquela pergunta “Será que os desenvolvedores do jogo realmente sabem que ele está sendo feito para Switch?”. Pego nesse exemplo a árvore que é digna de estar na engine de Ocarina of Time/Majora’s Mask, mas se encontra perdida 20 anos depois em um jogo mais avançado de uma franquia diferente.

Será que tem como chamar a Epona dessa mesma posição?
Parece um jogo de Switch feito com 100% potencial?

Eu sei que o que eu digo aqui, muita gente já sabe. Não falo isso por querer pular no barquinho dos críticos, falo isso porque realmente sinto que o jogo vai me trazer o mesmo tédio que X/Y trouxe. Os últimos jogos sempre procuraram trazer um atributo diferente que não vive a longo prazo, a bola da vez para Sword/Shield são as chamadas Dynamax e Gigantamax, atributos especiais que fazem com que as criaturas fiquem gigantescas em batalhas de treinador e até mesmo em lutas selvagens com grupos de amigos (vários treinadores contra um dynamax). Uma coisa bem sem criatividade, na minha opinião, e que faz com que as mega evoluções introduzidas em X/Y parecerem a melhor inovação da franquia nos últimos 10 anos.

Ebaa….Um Pikachu……………….Gigante………………….

Meu ponto com todas essas críticas: Não, eu não quero fazer com que você não compre o jogo. Se você realmente gostar dos designs, da nova região, dos novos líderes de ginásio e dos novos monstros, vá em frente, jogue, se divirta! (sério mesmo). Eu só quero deixar um questionamento aqui: Você realmente sente que Pokémon teve uma melhora significativa nos últimos 6 anos? Sente o mesmo potencial, graça e criatividade que podíamos ver na continuação de uma história entre Red/Blue/Yellow e Gold/Silver/Crystal dentro das versões recentes? Fica com vontade de rejogar os últimos jogos?

As únicas coisas que verdadeiramente me deixaram semi-curioso foram: a cadeia evolutiva Zigzagoon — Linoone — Obstagoon, por ser um grande fã da banda KISS, e o inicial de água por ser um bebê chorão que nem eu quando mais novo…

I WANNA ROCK AND ROLL ALL NIIIGHT, AND PARTY EVERYDAY!!!!

De resto, eu deixo essa postagem 100% aberta para opiniões e argumentos diferentes, porque assim como você que sente alguma coisa ao ler isso, eu também sou um fã de longa data da franquia e espero ver ela sempre no melhor caminho possível. Tenha em mente que meu objetivo aqui não é insultar os fãs do jogo.