Orcs Must Die - O melhor do Tower Defense na geração 3D.

 Um gênero de jogo que parece sempre ficar abaixo dos outros é o gênero conhecido como Tower Defense, onde o jogador, fazendo uso de itens e armas, defende um objetivo de algum tipo de inimigo.

 Contudo, em 2011, através da Xbox live arcade, recebemos Orcs Must Die!, um jogo em terceira pessoa que nos permite massacrar hordas de orcs para impedi-los de alcançarem o mundo humano, um tower defense um pouco diferente do que o grande público pode estar acostumado.

História:

 O jogo nos introduz através de uma cutscene estática, mas muito bem desenhada, onde nos é contado que o mundo humano é protegido por uma sociedade de magos e guerreiros que se chamam de Ordem. Um desses magos é morto durante uma incursão dos orcs, e então somos apresentados ao nosso personagem, conhecido apenas como aprendiz, um personagem disposto a lutar para salvar o mundo humano, defendendo as Fendas, portais de poder que ligam o mundo dos orcs ao dos humanos, e é ai que iniciamos o jogo.

 A história é contada de forma séria no começo, mas logo fica evidente a comédia presente ali. Apesar de ser sim uma história séria e que flui com essa seriedade, o protagonista é cômico na medida certa, sem ser piadista demais, ou todo certinho.

Gameplay:

 Um dos pontos altos do jogo, sua jogabilidade. O aprendiz é muito ágil, ele anda, corre, pula, e fala muitas abobrinhas...

 Seguindo o estilo Tower Defense de ser, Orcs Must Die! tem como objetivo a defesa das Fendas, ou rupturas, e para defendê-las o jogador tem a disposição uma besta magica, que é a arma básica do personagem, e dezenas de armadilhas para posicionar pelo cenário antes de cada incursão dos orcs.

 O avanço dos inimigos segue um ritmo, o jogador pode espalhar armadilhas e escolher quando a primeira horda surgirá, e a cada dez segundos outra surge, após a anterior ser dizimada. Os níveis mais elevados possuem várias etapas, e após um certo número de hordas ser derrotada o jogador ganha mais tempo para se preparar, podendo espalhar armadilhas e escolher quando a próxima horda virá.

 O personagem não possui fôlego ou estamina de algum tipo, então dá para percorrer os cenários livremente. Contudo, há a barra de vida e uma barra de mana, de vez em quando algum orc pode derrubar um frasco de poção, seja de vida ou mana, e é assim que nos recuperamos. Outro método é usar algum item, ou tocar na Fenda, mas esses métodos podem ser problemáticos durante uma incursão orc.

Ponto negativo:

 As versões de console. No Xbox 360 o jogo não é bom, sua jogabilidade rápida e a necessidade de muita agilidade para lidar com os orcs não responde bem em um controle, sendo bom apenas no mouse e teclado.

Curiosidade:

 O jogo é de 2011, mas já contava, e conta, com uma dublagem e localização completa e perfeita. Todos os textos estão em nosso idioma, e os personagens, mesmo que não os vejamos falando em cutscenes, tem uma dublagem que casa muito bem com eles, e com os momentos.

 Ambientação:

 Os gráficos do game são excelentes, com um estilo cartunesco muito agradável aos olhos, e ambientes de masmorras muito inspirados e cheios de detalhes. Tudo bem que a maior parte dos cenários, por motivos óbvios, são pequenos e, em sua maioria, não muito mais que corredores um pouco amplos, mas ainda são interessantes de se observar e armar as armadilhas.

Conclusão:

 Orcs Must Die! é um daqueles jogos que merecia muito mais reconhecimento, tanto por apostar em um estilo mais voltado a um público específico, quanto pelo capricho muito grande em história, e dublagem para o público brasileiro, lembrando que em 2011 a dublagem de games ainda não era grande coisa por aqui.

 Com uma história muito divertida, uma gameplay intuitiva e muito fluida, mesmo que apenas em computadores, ele é um jogo que merece uma chance, suas partidas rápidas são perfeitas para jogadores mais casuais, então prepare suas poções e arme as armadilhas, pois as hordas de orcs famintos estão atravessando a ruptura!

Plataformas: Steam, Xbox live arcade.

Versão analisada: Steam.